Notícias

O Sistema de Rating Municipal (SRM) é um projeto inovador no contexto nacional e europeu. Esta iniciativa pretende desenvolver um sistema, um modelo e uma plataforma informática mediadora da relação construtiva entre o município e a cidadania. Nesse sentido, o SRM contempla uma abordagem objetiva de apuramento e quantificação das intenções e das realizações do executivo municipal.

Paralelamente, tem lugar a auscultação da comunidade na óptica do cidadão, do munícipe e do eleitor. Esta dimensão é conseguida pela participação da cidadania na avaliação das concretizações do executivo, bem como na avaliação da qualidade percebida do munícipe e na lealdade do eleitor. O SRM permite observar os níveis e a natureza da percepção coletiva em relação ao comportamento público, numa perspetiva quantificável, objetiva e predicadora de futuros comportamentos eleitorais.

O SRM é um instrumento de utilidade pública.

Os desafios futuros dos municípios portugueses passam pela governança estratégica, onde o diagnóstico e a monitorização humana e territorial é fundamental para gerir de forma eficiente e sustentável. Este projeto é, também, um mecanismo de avaliação das expectativas e percepções da comunidade em torno da intervenção e das dinâmicas de qualquer município.

O SRM insere-se na corrente do urban analytics que preconiza o desenvolvimento de conhecimento e  inteligência nos e dos contextos urbanos.

Este paradigma preconiza municípios mais prósperos, saudáveis, justos, inclusivos, sustentáveis, conectados e resilientes à incerteza, variabilidade e imprevisibilidade.

O ICE é, simultaneamente, um modelo de gestão autárquica e um sistema de avaliação da satisfação dos munícipes.

O apuramento deste indicador é conseguido a partir das ponderações das linhas programáticas dos executivos, bem como dos valores da qualidade percebida do cidadão, da satisfação dos munícipes e da lealdade do eleitor em relação aos vetores de intervenção política.

 

MODELO DE DESEMPENHO AUTÁRQUICO

O ICE contempla a estimação simultânea e o carácter interdependente do conjunto das relações, em detrimento duma estimação individual e autónoma de cada equação.

A opção pela estimação simultânea permite obter estimadores mais eficientes e precisos das variáveis endógenas do modelo e, em particular, dos índices de satisfação do munícipe. Através deste método, conseguimos compreender plenamente quais são as variáveis que mais contribuem para a satisfação do munícipe, e por consequência a importância dessas variáveis no computo do cálculo do ICE.

 

MODELO GERAL DE SATISFAÇÂO

O modelo geral de avaliação da satisfação é explicado por três determinantes: o valor percebido do cidadão; a satisfação do munícipe e a lealdade do eleitor. Estas determinantes permitem conformar um índice de satisfação que integra, numa perspetiva holística, a percepção da qualidade do desempenho da entidade e, em sentido atomístico, a satisfação do munícipe, as intenções e as recomendações na qualidade de eleitor. 

Numa abordagem top-down, conseguimos avaliar o campo perceptivo, os níveis de convencimento pessoal e inclusivamente o potencial comportamento eleitoral. Por isso, consideramos estas determinantes e os seus respetivos indicadores como ingredientes essenciais para a compreensão da cidadania.

A natureza e a quantidade de eixos de intervenção variam de município para município, por isso o modelo assume um caráter dinâmico, onde cada município deverá ponderar politicamente o valor a atribuir a cada eixo de intervenção, dado que pode fazer toda a diferença no apuramento do ICE. Porém, é importante referir que, este balanceamento tem o seu limite nos propósitos presentes no programa eleitoral, não podendo ser desvirtuado no momento da ponderação política dos eixos de intervenção. O executivo não poderá ser avaliado para além da sua promessa política e eleitoral, sob pena de reduzir o valor e a legitimidade do ICE enquanto instrumento de avaliação sério, credível e idóneo.

A natureza dos eixos de intervenção pode assumir diferentes configurações. No âmbito do SRM, os eixos de intervenção são classificados como projetos, atividades, processos, programas e políticas públicas. A ponderação política e o indicador de progresso são obtidos por consenso entre as partes, segundo o programa eleitoral e o ritmo de concretização do executivo. Por isso, e independentemente do tipo de eixos de intervenção, eles deverão ser quantificáveis, calendarizáveis e alcançáveis.

Autor: galvaomeirinhos
CIDIUS

O Projeto CIDIUS da GALVÃO MEIRINHOS LDA foi instalado no Brigantia EcoPark – Parque de Ciência e Tecnologia em Maio de 2017.

 

O CIDIUS é um sistema global de gestão urbana que contempla o sistema de rating municipal, o sistema de marketing e comunicação pública e política e o sistema de gestão urbana.

 

A GALVÃO MEIRINHOS LDA agradece à Câmara Municipal de Bragança e ao dirigentes do Parque todo o apoio na sua instalação e na forma como foi recebida nas suas novas instalações.